sexta-feira, 16 de maio de 2008

Racionalidade

Muitos dias fiquei remoendo... Nunca chorei. Um imperador não chora e eu continuo a sentir-me imperador.


Depois de muitos copos de vinho e bagacinhos decidi avaliar as coisas. Tinha o amor do povo e as contas corriam bem... Tentei rasgar o status quo, mas não contei que a inércia fosse tão grande. Aprendi uma lição:


- Nunca substimar um status quo;
- O status quo faz tudo para não desaparecer;
- O status quo não se rompe, queima-se.


Cometi o erro de deixar ficar comigo os que já lá estavam... A traição era iminente. E eu não percebi.


Vejamos agora algo curioso... Analisei dados da bolsa de valores de Lisboa e deparei com este cenário que podem ver na seguinte figura. Tive a liberdade de o analisar para ti Blogue:


- O começo é indicado com uma bolinha vermelha. Note-se a situação gravosa e drástica... O estado estava em queda livre. Agarrei-o com unhas e dentes e passado um mês notou-se uma recuperação que por todos foi aplaudida. Um triunfo da minha capacidade de liderar uma nação.


- A bolinha azul indica, como será fácil entender, o começo do império. Houve queda é certo, mas não se podem fazer omeletes sem partir alguns ovos. É um momento de disrupção e há sempre de certo modo um caos e o modus operandi da máquina estatal é sempre afectado. Mas logo passa uns dias o povo viu os benefícios de uma liderança mais autoritária.


- A bolinha Rosa representa obviamente o momento da aleivosia. Sem mais palavras vos deixo. Sois livres de analisar o que sucedeu a seguir. Ainda estaremos cá para ver o que se vai passar com o tempo... Não sou certamente uma condição sine qua non do desenvolvimento do reino, mas comigo o povo estava feliz!!




Um comentário:

naturline disse...

Adar com um texto maravilhoso.
muito boas, mo' gostou muito, da mesma maneira que o blog, obrigado muito.